Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

M(ã)emórias da Maria Mocha

Blogue pessoal que aborda o universo feminino, maternidade, adolescência, resiliência, luta e superação do cancro, partilha de vivências, vida familiar e profissional... e alguma reflexão com humor à mistura.

M(ã)emórias da Maria Mocha

Blogue pessoal que aborda o universo feminino, maternidade, adolescência, resiliência, luta e superação do cancro, partilha de vivências, vida familiar e profissional... e alguma reflexão com humor à mistura.

Carta aberta à vizinhança.

 Cara vizinhança do Sapo e arredores:

 

É impressão minha, ou a moda que infesta o Facebook de mandar indiretas (daquelas que nunca acertam o alvo ou acertam em vários porque a carapuça pode assentar a qualquer um e, muitas vezes, até acontece que a quem se dirige é que não chega porque essa pessoa está mas é a cagar para a opinião de alegados invejosos e ressabiados...), a moda de mandar indiretas, dizia eu, e de fazer moralismo bacoco sobre os comportamentos dos outros, alastrou-se à blogosfera? Ou já é tradição antiga? Elucidem-me, que eu gosto de saber com quantas linhas me coso.

 

Não tenho visto isso propriamente nos vizinhos mais próximos (vocês!), mas que os críticos compulsivos andam aí, lá isso andam! Que raio! Às vezes até criticam quem critica, ou seja, fazem críticas a si próprios. Será falta de discernimento, falta de assunto ou regra blogueira? Para me sentir inserida na comunidade, tenho que passar por esta etapa? Então, pronto: aqui têm este post/carta. Eu a criticar quem critica. Que tal? Mas garanto que será o último e foi mesmo porque tenho um problema de regurgitação do pensamento reflexivo: não consigo evitar uns refluxos e umas golfadas em sequência das minhas indignações. Can't keep my mouth shut!, digamos... (Fica sempre bem umas tiradas em inglês...)  

 

Não havia "nexexidade", como dizia o outro... Deixemo-nos de m&$das! O que é que me interessa a mim que me dêem a vossa perspetiva pessoal crítica sobre o vizinho A, B ou C anunciar a nova estação ou fazer ver a sua alegria por ser sexta-feira ou repetir e copiar o assunto X ou Y, tudo assuntos que vocês ao abordar, lá está, acabam também por abordar e passam também a ser alvos das próprias críticas? Chegaram lá? Como vêem trago aqui um assunto altamente complexo e pertinente. É ou não?

 

Meus amigos, hoje em dia já ninguém inventa nada! Nem mesmo os blogs in do pedaço, lamento dizê-lo com toda a frontalidade. Já está tudo inventado!  Além disso, cada um faz com o seu espaço o que bem entender! Há lugar para todos! Quem somos nós para criticar o que quer que seja? E outra coisa: há mais vida para além dos blogs (e, já agora, para além do vosso umbigo!)! Esta faceta das nossas vidas é, em alguns casos, a meu ver, nitidamente sobrevalorizada, não será? O melhor será cada um de nós olhar em volta e ver se não estamos a perder alguma coisa importante na nossa vida na sequência dessa sobrevalorização... 

 

Quero a propósito deste assunto aqui lembrar uma máxima de uma velhinha que sabia as coisas da vida, com aquela sabedoria popular que já é rara nos nossos dias. Dizia ela: "Nós só semos (sim, "SEMOS"!) aquilo que semos. Não semos o que pensemos." Paremos para pensar nisto. Dêmos-lhe ouvidos e contrariemos então os nossos egos, que só lhes fica mal - aos egos - tanta arrogância e sobranceria, ok? 

 

PEACE AND LOVE, my friends! E assuntos de interesse, se faxavor! Até leio de bom grado a opinião de cada um sobre a relação entre Física Quântica e espiritualidade ou sobre o estado da economia mundial. Se tiver que ser, seja... Argh!!!  Ou simplesmente episódios engraçados das nossas vidas ou conselhos práticos. Isso sim! Não estou é para perder o meu precioso tempo a ler considerações morais sobre os outros. Quero conhecer a vizinhança, não o que uns vizinhos pensam dos vizinhos do lado. E, se não tivermos nada de interessante para dizer sobre nós ou para ensinar aos outros (acontece aos melhores!), não nos caem os parentes na lama se nos calarmos um bocado e "ouvirmos" o que os vizinhos têm para dar a conhecer sobre si próprios. Mesmo que não concordemos com a forma como varrem o seu quintal ou não separam o lixo nos caixotes. Sim? 

 

Mas isto é só uma novata por estas bandas a falar... Sei que esta abordagem poderá parecer um bocado rude, mas, que se lixe!, já não tenho idade para ter pudor em dizer o que penso. E por essa mesma razão desandarei daqui pra fora, se começar a ver que isto se torna "tóxico" na minha vida. Toxicidade, não! Já tenho/tive a minha dose... Quero é rir-me e aprender qualquer coisa com todos os que encontro, como tão bem já me têm provado saber fazer.

 

Os que tiveram pachorra para ler as minhas humildes palavras, agora sintam-se à vontade para fazer o gosto ao dedo. Desboquem-se sem dó nem piedade. Sem censura, mas também sem ofensas, como eu gosto! Também não espero outra coisa. Agradecida! 

 

Beijos e abraços,  

Maria.

 

 

PS:

Reparem que me incluo também como objeto da reflexão. Não é necessário lembrar-me, que eu tenho consciência disso, ok? Sou sujeito e objeto da reflexão, portanto também contra mim falo e de futuro pretendo seguir o meu próprio conselho.

Acho que não me safo de vir a ser um caso de estudo de um qualquer estudante de psicologia... ou mesmo psiquiatria...  

 

28 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

DIREITOS DE AUTOR (Decreto-Lei n.º 63/85 com as posteriores alterações)

Maria Mocha é o pseudónimo de uma mulher que, de vez em quando, gosta de deixar os pensamentos fluir pela escrita, uma escrita despretensiosa, mas plena dos sentimentos e emoções com que enfrenta a vida. Assim, as criações intelectuais da Maria Mocha publicadas (textos, fotos) têm direitos de autor que a mesma quer ver respeitados e protegidos. Eventuais créditos de textos ou fotos de outros autores serão mencionados. Aos leitores da Maria Mocha um apelo: leiam, reflitam sobre o que leram, comentem, mas não utilizem indevidamente conteúdos deste blog sem autorização prévia da autora. Obrigada.

Calendário

Setembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens