Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

M(ã)emórias da Maria Mocha

Blogue pessoal que aborda o universo feminino, maternidade, adolescência, resiliência, luta e superação do cancro, partilha de vivências, vida familiar e profissional... e alguma reflexão com humor à mistura.

M(ã)emórias da Maria Mocha

Blogue pessoal que aborda o universo feminino, maternidade, adolescência, resiliência, luta e superação do cancro, partilha de vivências, vida familiar e profissional... e alguma reflexão com humor à mistura.

Pinheiros de Natal e piaçabas

f_kruger_vorweihnacht.jpg

 (Franz Krüger/Wikipedia)

 

1 de dezembro, data que comemora a restauração da independência, mas também o dia que abre oficialmente a época natalícia em muitos lares. E acima de tudo é tão bom ser feriado! Mesmo para quem não aproveitará para fazer ponte, como é o meu caso, este dia cai que nem ginjas nesta altura do "campeonato", tantos meses decorridos sobre as férias de verão. 

 

Este ano, o espírito natalício tarda em tomar conta de mim. Eu, que incuti essa febre nos miúdos cá em casa, de ano para ano pareço cada vez mais afastada dessa alegria dos preparativos para o Natal. E agora tenho um problema em mãos. É que hoje é aquele dia que marca o limite aceitável para vestir a casa de Natal... e não me apetece nadinha fazer isso.

 

Uma das recordações mais caras que tenho da infância era a tradição familiar da ida ao monte (ao pinhal) num destes feriados de dezembro, pai mãe filhas, apanhar musgo e pinhas e cortar o pinheiro mais bonito que conseguíssemos encontrar. Hoje vejo que o ato de cortar pinheirinhos não é uma ação assim tão romanceável e ambientalista, e agora seria impensável.  E ainda bem que hoje em dia não é prática, mas naquela época, na minha terra natal, todos o faziam. 

 

Tenho alguma nostalgia em relação à época em que o pinheiro de natal era natural. Tenho saudades do cheiro que deixava dentro de casa, cheiro a resina, a pinhal, a natureza. Este ano gostava de comprar um em vaso para poder enfeitar e conservar alguns anos, enquanto aguentasse. E depois, quem sabe, plantaria em qualquer lugar. O problema é que não sei onde é que posso encontrar à venda. Alguém sabe? Existe em alguma daquelas lojas grandes de bricolage e jardim? Penso que nos hortos deverão encontrar-se mas não tenho nenhum aqui perto. Lá vou eu gramar mais um ano com uma piaçaba cheia de fitas, luzes e bolinhas.

 

NOTA FINAL:

Uma curiosidade, só para não dizerem que não aprendem nada aqui: foi uma empresa de piaçabas que criou a primeira árvore de natal artificial, em 1930.  Faz sentido!    

 

 

54 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

DIREITOS DE AUTOR (Decreto-Lei n.º 63/85 com as posteriores alterações)

Maria Mocha é o pseudónimo de uma mulher que, de vez em quando, gosta de deixar os pensamentos fluir pela escrita, uma escrita despretensiosa, mas plena dos sentimentos e emoções com que enfrenta a vida. Assim, as criações intelectuais da Maria Mocha publicadas (textos, fotos) têm direitos de autor que a mesma quer ver respeitados e protegidos. Eventuais créditos de textos ou fotos de outros autores serão mencionados. Aos leitores da Maria Mocha um apelo: leiam, reflitam sobre o que leram, comentem, mas não utilizem indevidamente conteúdos deste blog sem autorização prévia da autora. Obrigada.

Calendário

Dezembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens