Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

M(ã)emórias da Maria Mocha

Blogue pessoal que aborda o universo feminino, maternidade, adolescência, resiliência, luta e superação do cancro, partilha de vivências, vida familiar e profissional... e alguma reflexão com humor à mistura.

M(ã)emórias da Maria Mocha

Blogue pessoal que aborda o universo feminino, maternidade, adolescência, resiliência, luta e superação do cancro, partilha de vivências, vida familiar e profissional... e alguma reflexão com humor à mistura.

Uma sátira sobre esperança e fé

02c77cb0a008396545f4a20f2a88f4ad.jpg

 

Agora que o ano letivo está a acabar, partilho uma estória inspiradora sobre esperança e fé, com o desejo de que todos os vossos entes queridos em idade escolar tenham muito bons resultados. Se não for o caso, contem-lhes este exemplo de vida, que talvez sirva para reflexão e também de inspiração para o próximo ano letivo. Cá vai, então!

 

O Joãozinho era um menino muito distraído nas aulas e com dificuldades de aprendizagem. Por isso, como é óbvio, tinha más notas e a professora estava sempre a ralhar com ele. 

 

Um dia, a mãe dele, habituada a ouvir queixas da professora, foi mais uma vez à escola para saber como se estava a comportar. A Professora foi peremptória em dizer mais uma vez à mãe que o seu filho era um desastre, que tinha notas muito baixas e que ela nunca tinha visto um menino assim em toda a sua carreira.

 

A mãe desta vez ficou tão chocada com o teor do que lhe disse a professora que tirou o seu filho da escola e, inclusive, mudou com ele de terra. Foi da província para Lisboa. Já não suportava aquilo.

 

25 anos depois, essa mesma professora foi diagnosticada com uma grave doença no coração, quase incurável. Foi aconselhada por vários médicos a fazer uma cirurgia ao coração. No entanto, este tipo de operação só um médico em Lisboa era capaz de fazer. Apesar de não ter grandes esperanças, a professora decidiu tentar. Foi para Lisboa e num hospital lá foi operada com sucesso pelo tal médico.

 

Quando abriu os olhos depois da cirurgia, viu um belo e jovem médico à sua frente, a sorrir para ela. Ela queria agradecer-lhe, mas não conseguiu falar. De repente, a sua cara tornou-se azul, levantou a mão, tentou gritar sem conseguir e num ápice morreu.

 

O médico ficou chocado, a tentar entender o que tinha acontecido de errado. Nesse momento, olhou para o lado e viu que o João, que trabalhava no hospital a fazer limpezas, tinha desligado os equipamentos de suporte da tomada do quarto, para ligar o seu aspirador e limpar o corredor.

 

Pensavam que o Joãozinho se tinha tornado médico, não é? Tá bem, tá! Não estudem, e veem como é que é!

 

(Este texto é uma adaptação de um que encontrei em http://smartdireito.com.br/pequeno-conto-de-esperanca-e-fe-parte-2/

 Fonte da imagem: https://pt.pinterest.com/explore/piadas-do-jo%C3%A3ozinho-933214800729/)

 

 

P, o baldas!

 

O P é um rapaz de 16 anos, com alguma irreverência própria da idade mas com bom coração. Só não liga à escola. Nem sequer leva os livros para casa. Ficam no cacifo durante todo o ano. Não vale a pena levá-los. Afinal, não iria estudar mesmo. Corre, por isso, o risco de chumbar, mais uma vez.

Vive com a mãe e uma irmã mais nova, com muitas dificuldades, numa habitação humilde, sem as mínimas condições, com algumas divisões em terra batida. A mãe é uma boa mãe, trabalhadora, e luta diariamente para criar aqueles dois filhos sozinha. Conta também com a ajuda de terceiros.

O P tem o pai preso. Disparou contra um homem na sequência de uma briga. Mas não teve culpa, diz o P. Vão visitá-lo ao fim-de-semana. A mãe, esposa extremosa, leva-lhe sempre dinheiro para os gastos na prisão, apesar das dificuldades em criar os filhos. 

O P sabe que precisa ajudar a mãe no orçamento familiar. Trabalha muitos finais de dia, depois da escola. E quase todos os fins-de-semana, na agricultura. Pagam-lhe 5 euros à hora. 30 euros por dia. É uma boa ajuda, diz ele. 

O P não estuda. Mas podia estudar, em cima da sua cama, diz ele. Dormir lá é que não pode, desde que o soalho do quarto abateu. Agora tem dormido no chão, no quarto da mãe, ao lado da cama onde ela dorme com a irmã mais pequenina. 

O P é um bom menino, só não liga à escola. 

 

 

Ó meu menino, meu menino...

f2f2cd_3bf47adb16ea4a2bb3c10103e2c9baad.jpg

 

Querem conhecer estratagemas de filhos adolescentes? Querem ir-se preparando, se for caso disso? Então apertem os cintos, que hoje vão conhecer o estratagema do século. Já a seguir, aqui neste post.

 

Não é que o meu filho engendrou um esquema todo rebuscado para não estudar, um dia destes?! Tinha assuntos urgentes a tratar no telemóvel, o pobre coitado, e os estudos não o deixam viver e tem uma vida triste e não pode fazer nada do que gosta e os amigos estão sempre no computador a jogar e com os telemóveis até às tantas da noite e ele não pode (palavras dele). Um infeliz... 

 

Ia ter teste de História. Carradas de matéria para estudar e ele teima em não sair do nível 4. O gajo tem o problema de achar sempre que já sabe tudo e depois não é bem assim. É calaceiro até à última casa.

 

Depois de dado o contexto, a sequência de acontecimentos foi a seguinte:

 

O pai entra no quarto do filho, diz-lhe para estudar e retira-lhe o telemóvel, colocando-o no móvel do hall de entrada, onde eles habitualmente ficam de noite. É fácil perceber porquê. O telemóvel exerce uma atração terrível e não se coaduna com momentos concentrados de estudo. O pai faz, portanto, o seu papel e fica descansado.

 

Dali a uns minutos, a mãe, melhor investigadora do que um agente do FBI, vai ao quarto do filho para ver se estava tudo a correr bem com o estudo. Aparentemente, estava tudo controlado, e até se delicia a ouvir "quero mesmo estudar aqui concentrado", até que...

 

... ouve-se um barulho quase inaudível, como um vrum vrum abafado, semelhante ao sinal de mensagem dos telemóveis. 

 

"Que barulho foi este? Tu tens aqui o telemóvel? O pai não to tirou?" 

 

Filho atrapalhado. "Hummmm..."

 

A mãe procura debaixo da roupa da cama, de onde vem o som. Lá está um telemóvel, o telemóvel do filho, sem a capa. "Mas ainda agora o vi no hall de entrada!", pensa para consigo. Dirije-se ao hall e lá está um telemóvel em tudo igual, com a respetiva capa. O estratagema que ele montou e pôs em prática foi: depois de o pai lhe tirar o telemóvel, colocou a capa do telemóvel num velho igual que ele teve mas já não funciona, colocou-o no lugar do verdadeiro e ficou com este último escondido no quarto ao pé dele. Assim, todos passaríamos pelo telemóvel no hall e acharíamos que ele estava (concentradíssimo, sócio) a estudar como se não houvesse amanhã, sem distrações de qualquer tipo.

 

Grande estudo para História que iria acontecer ali, sempre a cair mensagens, como verifiquei depois, com o telemóvel confiscado ao pé de mim...

 

Resta-me saber quantas vezes é que ele já nos enganou desta forma. Ele diz que foi a primeira, mas tenho as minhas sérias dúvidas.

 

De falta de criatividade, malandrice e engenho é que ele não pode ser acusado... Lembro-me de o meu maior estratagema ser ler às escondidas da minha mãe, pela noite dentro, com uma luz muito fraquinha, para não levantar suspeitas. Se calhar sou míope por causa disso... Que totó que eu era, perto do meu filho. 

 

Acho que ainda me vou rir disto, mas por enquanto não! Não, mesmo! 

 

Moral da história: Podes enganar um homem/pai, mas enganar uma mulher/mãe já são outros quinhentos.  

 

 

Solidariedade fraterna ou sexo forte?

Conseguem adivinhar o que seja isto?

14717119_465199303650794_4345929337758268602_n.jpg

Facílimo!, dirão.

É uma pasta de arquivo de fichas e outros documentos escolares, organizadamente separados por disciplinas para o aluno estudar. E acrescentarão que deve pertencer a um aluno muito organizado, metódico com o seu estudo. 

 

Certo... até certo ponto. 

 

É que esta pasta de arquivo foi organizada por uma aluna que é tudo isso, mas não o fez para si própria, mas para outro aluno, no caso, o irmão caçula. 

 

No final do ano letivo passado, como fazemos todos os anos, fez-se a "limpeza" das secretárias, arrumando todo o material escolar do ano letivo que acabou e preparando-se espaço para o novo que haveria de chegar.

Entre esses trabalhos, a minha rica filha primogénita organizou esta pasta de arquivo com os seus belos apontamentos e testes realizados no ano passado, tudo direitinho, para o irmão este ano poder recorrer a tudo aquilo, numa espécie de passagem do testemunho, qual corrida de obstáculos por equipas com divisão pouco equitativa do esforço individual dos atletas.

E sabem uma coisa? Nos últimos testes, ele, calaceiro, em vez de fazer os seus próprios apontamentos para Físico-Química e Ciências Naturais, estudou pelos da irmã. Foram urgências, que o gajo é mandrião para ler e escrever resumos. Teve que ser. É claro que também fez exercícios à conta dele e isso tudo, mas encontrou ali nos apontamentos da irmã uma ajuda preciosa. Não posso deixar é que se transforme em rotina, senão ele não desenvolve as suas próprias competências.

 

No fundo, não foi nada de mais! Ou não fosse ela mulher e ele homem... Os gajos começam cedo a depender das gajas!

Sexo fraco uma ova!

 

 

Métodos de estudo e sucesso escolar

 

 

10342989_367821163388609_57856570024939177_n.jpg

Tem filhos na escola? Então está na hora de um último esforço para apresentar bons resultados na Páscoa.

Esta é uma semana grande em termos de estudo, pelo menos para os estudantes cá de casa. Têm “carradas” de testes esta semana, coitados.

Falemos então sobre estudar, esse castigo tão grande que os adultos inventaram para aplicar às criancinhas.

 

                           Hoje o caçula estuda História! Yay!!!

 

A minha experiência.

 

Sempre fui uma boa aluna, muito metódica e organizada no estudo, principalmente a partir do 10º ano. Percebi desde cedo que estudar, tirar um curso, era a única garantia de ter um emprego que me proporcionasse uma vida minimamente desafogada no futuro, menos dura que a dos meus pais. Como obtinha bons resultados, fui sempre estabelecendo objetivos mais ambiciosos e fui também sendo cada vez mais exigente comigo própria, não me permitindo baixar o nível. A partir do 10º ano fui quase sempre (ou sempre, já não me lembro bem) a melhor aluna da turma e não concebia uma realidade diferente desta. Ainda hoje sou competitiva ou, como eu gosto de dizer, briosa no que faço. Não me contento com pouco, não gosto de mediocridade. Parece-me certo que quando se é o melhor em alguma coisa, aprende-se a viver com isso e é difícil afastarmo-nos desse patamar. A gente habitua-se, digamos!

 

Os bons resultados que obtinha levantavam-me a auto-estima, a mim, que durante a infância fui uma criança gordinha, complexada e introvertida com pouco amor-próprio. A escola ajudou-me a provar que sempre havia algo em que era melhor do que os outros! Por outro lado, os tempos também eram outros e o facto de ter crescido a ver os meus pais contarem o dinheiro no final do mês para assegurar os bens básicos para a subsistência da família também teve peso nesta equação. Não havia nada adquirido na nossa casa que fosse supérfluo, tudo era racionado. Não havia dinheiro para luxos, só para o essencial. Crescer com esta realidade marca a vida e a personalidade de qualquer um, de uma forma bem profunda. Esta é uma “alavanca” que falta hoje aos meus filhos, habituados a crescer com tudo, embora eu não me canse de lhes lembrar da minha história de vida e dos seus antepassados.

 

Desde cedo senti esta necessidade de ser bem-sucedida na escola. Era algo intrínseco, que vinha de dentro de mim. Costumo dizer aos meus filhos que os meus pais nunca, nem uma única vez, tiveram que me mandar estudar ou foram chamados à escola por um qualquer meu passo mal dado. Não, isso comigo não existia. Por isso é que me custa tanto lidar com a falta de motivação, empenho e ambição dos meus filhos. Não é que eles sejam maus alunos, não! São bons alunos e até quadros de excelência: ela tem integrado o quadro de excelência da escola todos os anos sem exceção; ele só foi um ano porque é mais preguiçoso e desconcentrado, mas tem andado lá perto. Estão no 8º e 9º anos e tem sido uma luta constante, principalmente minha, para eles ganharem método de estudo e aprenderem a definir objetivos e a organizar o tempo de estudo. Finalmente agora penso que já começo a ver alguns frutos dessa luta. Já vão percebendo que há dias em que têm mesmo que estudar (normalmente só na véspera dos testes, mas enfim…).

 

Como educar os filhos para o estudo.

 

Para quem, como eu, tem filhos em idade escolar, em primeiro lugar é necessário insistir com eles para desenvolverem mecanismos de organização do tempo de estudo. Neste âmbito é muito importante que eles, em primeiro lugar, queiram ter sucesso e definam objetivos e que, em concordância com isso, sejam realistas e honestos com eles mesmos. Só a título de exemplo, se há coisa que o meu mais novo gosta de fazer é convencer-se a si próprio de que o esforço investido no estudo para um determinado teste já é o suficiente, quando na maior parte dos casos, não é. O excesso de confiança e o apelo de outras atrações (jogos de computador, playstation, etc) funcionam aqui como inimigos do sucesso escolar. Cabe a nós pais nunca desistir de insistir neste campo.   

 

Quanto a dicas para um estudo eficaz, apesar de não haver receitas, há um método que eu ensino os meus filhos a usar porque eu sempre estudei assim e resultou comigo. Basicamente, devem estudar de acordo com os seguintes passos e cumprindo as seguintes regras:

 

1 – Estar atentos nas aulas: quanto mais conteúdos forem assimilados na aula, mais facilitado estará o estudo em casa.

 

2 – Ter em casa um local fixo, calmo, sem distracções, para estudar.

 

3 – Situar-se na matéria que é preciso estudar, lê-la (páginas do livro e/ou fichas) com atenção e compreendê-la, sublinhando os conceitos e as partes importantes. Não cair no erro de sublinhar tudo. Para isso é preciso desenvolver a técnica de identificar o mais importante, e isso só com treino.

 

4 – Fazer apontamentos das partes importantes, em forma de texto-resumo ou esquemas, mas atenção, só depois de compreender bem a matéria. Compreendendo a matéria, não se corre o risco de identificar mal o que é importante. Escusado será dizer que escrever ajuda a memorizar os conteúdos.

 

5 – Dizer em voz alta a matéria, sem olhar para os apontamentos, para verificar da apreensão/memorização da mesma. Também podem ser feitas perguntas por um adulto. Os miúdos costumam gostar desse método.

 

6 – Não cumprir os passos anteriores só na véspera dos testes, porque dessa forma quase de certeza o estudo não ficará bem feito.

 

Tudo isto são pistas para nós, pais, ajudarmos os nossos filhos a organizar o estudo. Mas o mais importante para ter bons resultados escolares é que essa decisão parta deles. Eles têm que querer e para isso também nos compete a nós, pais, ensinar-lhes desde cedo a importância da escola, do estudo e da aprendizagem como forma de valorização pessoal.

 

Espero ter ajudado. Bons estudos!

Escola, memorização e inteligência

12687816_359222870915105_2331647040125812619_n.jpg

Chegada da viagem de regresso a casa, a fazer a ronda pela net. O jantar ha de ser pizza, portanto "tá-se bem"! Nos últimos dias não tenho usado o portátil e continuo a orientar-me melhor no pc do que no tlm. Sou uma cota de acordo com os meus filhos, portanto.

A minha "cria" mais velha amanhã tem uma ficha de avaliação e como não estudou nada durante a estada no norte (o que é compreensível, porque ela e o irmão vão lá tão poucas vezes que têm que aproveitar todos os momentos para socializar e brincar com os primos!), tem agora que o fazer. Escolheu fazê-lo ao pé de mim, na cozinha. Está mesmo aqui à minha frente. Há momentos pareceu-me distraída. Chamei-a à atenção. Como é habitual, disse-me que já sabia tudo (às vezes até sabe!). Perguntei-lhe porque é que, então, no 1º período ainda não tinha tido 5 à disciplina em questão. Respondeu-me que compreendia a matéria porque era fácil e até tinha feito apontamentos, só que não sabia tudo de cor, e a Escola não valorizava a inteligência, mas sim a memorização. Insisti para que estudasse mais um pouco, mas não contra-argumentei porque, apesar de ser do meio, também partilho um bocado essa opinião e até tenho tentado contrariar isso. 

Mas o que retirei desta conversa foi mais uma evidência de que a minha filha é um ser pensante que já formula opinião própria e demonstra espírito crítico! Que delícia!   Um dia falo aqui do feminismo dela...

Mais sobre mim

foto do autor

DIREITOS DE AUTOR (Decreto-Lei n.º 63/85 com as posteriores alterações)

Maria Mocha é o pseudónimo de uma mulher que, de vez em quando, gosta de deixar os pensamentos fluir pela escrita, uma escrita despretensiosa, mas plena dos sentimentos e emoções com que enfrenta a vida. Assim, as criações intelectuais da Maria Mocha publicadas (textos, fotos) têm direitos de autor que a mesma quer ver respeitados e protegidos. Eventuais créditos de textos ou fotos de outros autores serão mencionados. Aos leitores da Maria Mocha um apelo: leiam, reflitam sobre o que leram, comentem, mas não utilizem indevidamente conteúdos deste blog sem autorização prévia da autora. Obrigada.

Calendário

Dezembro 2017

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens