Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

M(ã)emórias da Maria Mocha

Blogue pessoal que aborda o universo feminino, maternidade, adolescência, resiliência, luta e superação do cancro, partilha de vivências, vida familiar e profissional... e alguma reflexão com humor à mistura.

M(ã)emórias da Maria Mocha

Blogue pessoal que aborda o universo feminino, maternidade, adolescência, resiliência, luta e superação do cancro, partilha de vivências, vida familiar e profissional... e alguma reflexão com humor à mistura.

Rendi-me ao outono...que remédio!?

20161010_154536.jpg

 

 

Rendi-me ao outono. Verdade! Qualquer dia ainda me vêem a fumar... 

 

Apesar de continuar um sol radioso, já comecei a interiorizar esta estação. Demora um bocadito a aceitar que o verão se foi, mas chego lá. Nada a fazer... 

 

Por esta altura costumo fazer umas broas muito saborosas e que começam a apetecer quando o tempo esfria. Chamam-se "Broas dos Santos". Ainda é  cedo, eu sei. Mas partilho já a receita, para o caso de alguém por aí querer experimentar antes da data. 

 

Então, cá vai! É muito simples. Espero que gostem.

 

Colocam-se ao lume, até levantar fervura, os seguintes ingredientes:

  • 0,5 l de azeite
  • 0,5 l de água
  • 500 g de açúcar
  • 50 g de canela
  • 50 g de erva doce
  • 1,5 chávenas de mel
  • Frutos secos a gosto: pinhões, pedaços de nozes e de amêndoas 

Quando levanta fervura, acrescenta-se 1kg de farinha sem fermento e uma mão cheia de farinha de milho. Mexe-se até formar uma massa uniforme e moldável. 

Moldam-se pequenas bolas (pouco maiores que uma noz) e colocam-se num tabuleiro forrado com papel vegetal anti-aderente. Coloca-se uma amêndoa ou meia noz por cima e pincela-se com gema de ovo. Vai ao forno até dourar. É preciso ter cuidado para não cozer demasiado. Têm tendência para ficar duras e queimadas por baixo, se passarem do ponto.

Retiram-se do forno e, depois de esfriarem um pouco, envolvem-se numa mistura de açúcar e canela. 

 

Com as quantidades indicadas, fiz quatro tabuleiros. Temos bolinhos para um bom tempo cá em casa, e ainda para dar à sogra. São ótimos com chá.

 

Pergunta que se impõe: Assim, como é que uma pessoa pode ser magra? 

 

 

 

 

Páscoa 2016

12417755_378731432297582_8974083425462943620_n.jpg

A Páscoa foi no norte, como sempre. Desta vez coincidiu com o aniversário da adolescente cá de casa. Por essa razão, conforme previsto, lá levámos as amigas mais próximas dela connosco. Foram 3 dias divertidos para ela e de muito trabalho para mim. Significou cozinhar para carradas de adolescentes, limpar o lixo que faziam, andar por casa a pisar ovos enquanto elas dormiam, levá-los e trazê-los para todo o lado, em várias viagens, assim como fazer uma viagem de combóio de volta (o carro só tem 5 lugares e nós, nestes últimos dias, tivemos a nosso cargo 6 adolescentes e uma criança!). E ainda me custou um telemóvel partido! No final o balanço é que gastámos uma “nota preta”, mas valeu a pena. Foi uma bela prenda de anos para a minha filha. Além disso, pude conviver com ela e as amigas e perceber melhor algumas coisas, nomeadamente que elas têm uma relação de irmãs e ainda bem, porque são boas miúdas. Percebi também que as amigas têm melhor feitio do que a minha filha, mas isso é uma história para outra altura.

Apesar de tudo, ainda consegui fazer um bocado de jardinagem, numa manhã em que não choveu, e enquanto todos dormiam. Valeu-me uma dor nas costas que me acompanha até hoje. Essa e também a dor nas pernas, da caminhada que fizemos uma tarde com os 7, monte acima e monte abaixo. Uma “aventura”, como chamo desde que os meus filhos são pequenos. Sempre fomos à aventura. Foi um conceito criado por mim e que não é mais do que desbravar caminhos e montes com a criançada (filhos e sobrinhos). Acho que são daquelas memórias que ficam para toda a vida.

Hoje já fiz o bolinho semanal da praxe. É muito simples e partilho já, muito rapidamente.

10389688_378730395631019_5749206401570174058_n.jpg

 

Batem-se 6 ovos inteiros com 200 g de açúcar até formar um creme fofo e esbranquiçado.

Junta-se depois, a envolver, 200 g de farinha com fermento.

Vai ao forno numa forma redonda sem buraco, untada e polvilhada com farinha, durante cerca de meia hora.

Retira-se e deixa-se arrefecer. Corta-se em 3 partes iguais, que depois serão sobrepostas novamente. Antes de cada sobreposição, rega-se cada parte com calda de açúcar (2 dl de água com 100 g de açúcar, que vai ao lume ferver durante 5 minutos) e recheia-se com doce. Usei doce de morango, mas pode ser outro qualquer. A cobertura que usei é de chocolate (1 tablete com 2 dl de natas, que vai ao lume para derreter o chocolate). Acho que ficaria ainda melhor com chantilly. Para a próxima é o que uso.

 

Hoje é 1 de abril! Aproveito para deixar os meus desejos para este mês (créditos na imagem), se possível com menos chuva… ou nenhuma! Quero sol e calor de uma vez por todas! Pode ser que abril contrarie o ditado e traga isso…

12932596_378535865650472_5393844534779860740_n.jpg

 

 

Dia do Pai cá em casa é ... com Bolo de Aniversário!

1930647_372382899599102_3117211307318605236_n.jpg

O “Dia do Pai”, como outras datas especiais, não passa em branco nesta casa e nesta família. Eduquei os meus filhos a celebrar estes dias. É sempre um bom pretexto para mostrarem ao pai o quanto gostam dele. Eles adoram o pai deles e, assim, também eu sinto que escolhi o pai certo para os meus filhos. Por acaso é curioso que cada vez estou mais convencida de que, por coincidência ou não, acabei por me casar e ter filhos de um homem parecidíssimo em vários aspetos com o meu próprio pai. Vá-se lá perceber isto…

 

Como sempre, o dia deste pai começa cedo com uma visita dos filhos, que é mais um “ataque”, à cama (e ao sono) do coitado. Depois, normalmente há um bolinho a assinalar a data. Este pai é guloso e neste dia não podia deixar de lhe adoçar a boca com um dos seus bolos preferidos: Bolo de Aniversário. Os doces preferidos do M. têm que ter forçosamente ovos moles, como é o caso do recheio deste.

 

Então vamos lá partilhar esta receita de Bolo de Aniversário!

1913716_372340352936690_8655437446170428647_n.jpg 

 Ingredientes:

10419428_372339916270067_6113715491982568820_n.jpg

 - 6 ovos

- 200g de açúcar

- 200g de farinha com fermento

- Ovos moles (às vezes faço, mas desta vez usei já preparado, numa loja de artigos para bolos, mas também há nos refrigerados dos hipermercados)

- Chantilly (1 embalagem de natas fria, batida com 3 colheres de sopa de açúcar)

- Enfeites à escolha (desta vez usei creme de chocolate que já se encontra à venda na secção de bolos dos hipermercados, numa embalagem tipo saco pasteleiro da marca Dr. Oetker para o qual existem bocas adaptadas e tudo).

 

O modo de preparação é muito simples:

 

Começa-se por bater os ovos inteiros  com o açúcar até obter um creme esbranquiçado (o que eu adoro não ter que bater claras em castelo!). De seguida junta-se a farinha só a envolver e já está!

1236476_372339849603407_7117605971389219257_n.jpg

Vai ao forno numa forma redonda sem buraco untada e polvilhada, durante cerca de 30 minutos. Retira-se do forno e deixa-se arrefecer. Divide-se em duas partes, recheia-se com ovos moles e unem-se as partes novamente. Cobre-se com o chantilly e decora-se a gosto.

 

993557_372339992936726_2085459709638736188_n.jpg      60066_372340096270049_4556358944096449508_n.jpg

 

1619508_372340196270039_6467667280374729549_n.jpg      10274260_372340236270035_5801772211412032904_n.jpg

 

1934776_372340252936700_5423276206108292351_n.jpg

 E pronto, temos assim um bolo fácil e infalível! Sai sempre bem!

                    12096117_372340369603355_3816733082745644824_n.jpg      10565083_372340389603353_2741951102860002826_n.jpg

Quanto ao resto do Dia deste Pai cá de casa? Vai ser passado por cá, em pijama, com os filhos. Talvez o aluguer de um filme da TV para vermos em família, como fazemos de vez em quando. O que está em cima da mesa é "As Sufragistas". Aproveitamos estas sessões cinéfilas para os miúdos aprenderem história e alguma cultura geral. 

 

Tão bom! 

3 - Receita de Bolo Mentiroso

12806021_369502216553837_6673357170454117816_n.jpg

 

 

Este é o bolo preferido do meu rebento mais novo. E é também o bolo mais fácil de fazer e dos mais económicos. Percebe-se o porquê de ser “mentiroso” quando o desenformamos. A aparência exterior é de bolo, mas na realidade tem a consistência de pudim cremoso. Uma delícia!

 

É só bater bem os ingredientes todos juntos:

 

- 4 ovos inteiros

- Meio litro de leite

- 400g de açúcar (pode ser menos, para não ficar demasiado doce)

- 125g de farinha com fermento

- raspa de 1 limão

 

Vai ao forno a 180ºC em forma untada e polvilhada durante cerca de meia hora. Desenforma-se frio. Não há mais fácil que isto.

 

Um doce fim-de-semana!

2 - Receita do bolo de sábado

Conforme prometido, cá vai a receita muito simples do bolo que fiz ontem (receita da revista Teleculinária). É um bolo muito saboroso, óptimo para os lanches de miúdos e graúdos.

 

Bolo Mármore de Iogurte e Cacau

 

10403334_367188686785190_9143215227586535207_n.jpg

 

 

Ingredientes:

 

6 ovos

2 iogurtes naturais (usei iogurte grego)

300g de açúcar

2dl de óleo

300g de farinha com fermento

40g de cacau em pó

Margarina para untar e farinha para polvilhar

 

Preparação:

 

Unta-se uma forma redonda com buraco e enfarinha-se.

e Batem-se bem os ovos com o açúcar, o óleo e os iogurtes. Acrescenta-se a farinha aos poucos batendo sempre.

Por fim, separa-se a massa em duas partes iguais e numa delas envolve-se bem o cacau.

Deitam-se na forma colheradas das duas massas alternadamente. Vai ao forno pré-aquecido a 180ºC durante cerca de 45 minutos.

Desenforma-se depois de arrefecer um pouco e polvilha-se com açúcar em pó.

 

Simples e faz as delícias do pessoal!

 

1 - Uma receita de Tarte de Frutas deliciosa

12802904_364809370356455_7353173845686210557_n.jpg

 

Quase todos os fins de semana faço um bolo, normalmente um bolo seco para poder ser apreciado ao pequeno-almoço, principalmente pelo guloso mais velho cá do sítio, o meu Homem (como diria uma amiga minha, que não usa o termo “marido” – e convenhamos, Homem tem outro peso!).

 

Desta vez apeteceu-me experimentar uma tarte de fruta que vi na revista de culinária “Cozinha Prática de Sucesso”. Não fiz exactamente igual. Adaptei e ficou óptima. Eu estava com receio porque nunca tive muito jeito para engrossar natas em chantilly. Mas correu bem e os miúdos já provaram ao lanche e adoraram.

 

E como as coisas boas têm que ser partilhadas, cá vai:

Estende-se a massa quebrada redonda (já se compra feita) numa tarteira de fundo amovível e pica-se o fundo.

12801145_364845203686205_7280610920145077946_n.jpg

 

Para o recheio, põe-se ao lume 1,25 dl de água com 250g de açúcar e deixa-se ferver 2 minutos.

À parte mistura-se 1 colher de sopa de farinha com 7 gemas e umas gotas de aroma de baunilha ou baunilha em pó.

Verte-se a mistura em fio na calda e leva-se novamente a lume brando, mexendo sempre, até espessar.

Verte-se de seguida o creme na tarteira.

12718123_364845217019537_7945362412184927542_n.jpg

 

Vai ao forno, a 200ºC, por cerca de 20 minutos.

Depois de cozida, retira-se e deixa-se arrefecer.

12805763_364845230352869_5517732568334485608_n.jpg

 

Faz-se o chantilly. Usei um pacote de natas arrefecido no frigorífico, que bati bem com 50g de açúcar em pó.

Por fim, é só decorar. Eu nem sequer usei o saco pasteleiro. Limitei-me a colocar o chantilly por cima do creme de ovos e espalhei as frutas cortadas aos pedaços. Na receita original usava-se manga, framboesas e amoras. Como não tinha, substituí por morangos e usei também pêssego em calda, quivi e ananás natural. Assim fui mais de encontro ao gosto cá de casa.

Coloca-se no frigorífico e cá está! Uma forma diferente de comer fruta. Muito boa, fresca e nada enjoativa! A repetir!

12243078_364845250352867_658441304810471666_n.jpg

 

Mais sobre mim

foto do autor

DIREITOS DE AUTOR (Decreto-Lei n.º 63/85 com as posteriores alterações)

Maria Mocha é o pseudónimo de uma mulher que, de vez em quando, gosta de deixar os pensamentos fluir pela escrita, uma escrita despretensiosa, mas plena dos sentimentos e emoções com que enfrenta a vida. Assim, as criações intelectuais da Maria Mocha publicadas (textos, fotos) têm direitos de autor que a mesma quer ver respeitados e protegidos. Eventuais créditos de textos ou fotos de outros autores serão mencionados. Aos leitores da Maria Mocha um apelo: leiam, reflitam sobre o que leram, comentem, mas não utilizem indevidamente conteúdos deste blog sem autorização prévia da autora. Obrigada.

Calendário

Fevereiro 2018

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens