Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

M(ã)emórias da Maria Mocha

Blogue pessoal que aborda o universo feminino, maternidade, adolescência, resiliência, luta e superação do cancro, partilha de vivências, vida familiar e profissional... e alguma reflexão com humor à mistura.

M(ã)emórias da Maria Mocha

Blogue pessoal que aborda o universo feminino, maternidade, adolescência, resiliência, luta e superação do cancro, partilha de vivências, vida familiar e profissional... e alguma reflexão com humor à mistura.

São tendências...

 

FB_IMG_1501178660237.jpg

 

Felizmente o meu filho deixou de usar fraldas por volta dos 3 anos... 

 

Agora a sério! Como é que estas calças a cair pelo cú abaixo podem ser tendência? Hã??? O meu adolescente cá em casa não gosta deste estilo (Graças a Deus, meu povo!), mas se gostasse eu não permitia uma coisa destas. Ai não saía assim à rua não, ou eu não me chame Maria! 

 

 

 

 

Felicidade doméstica é...

 

 

... encontrar, de uma assentada só, os pares de duas peúgas, DUAS!, esquecidas há meses no cesto da roupa para passar a ferro à espera dos respetivos pares. Já estava quase a desistir de as encontrar e, de repente, numa máquina de roupa lavada, pimbas! Duas de uma vez!

 

Sou a mulher mais feliz do mundo! Continuo sem perceber o fenómeno do desaparecimento das meias no processo de lavagem, mas pronto... 

 

 

 

 

 

 

Não sei se ria, se chore...

18010658_551939314976792_653893432208025386_n.jpg

 

Comprei este vestido giro giro giro. Custou-me os olhos da cara, mas não resisti. É giro ou não é?

 

Partilho algumas notas mentais que guardei desta compra.

 

O tamanho que me assentou melhor foi o XS. Incrível! Mas não sou eu que sou magra, desenganem-se. Os vestidos daquela marca é que são feitos tendo como referência matulonas nórdicas ou americanas obesas, certamente. 

 

A menina da loja, simpatiquíssima, numa tentativa de me elogiar e me incentivar à compra, disse-me: "Fica-lhe muito bem. Disfarça a barriga e tudo!" Toma e embrulha!  Num instante o sabor doce de conseguir vestir um XS desapareceu por completo.  Mas pronto... quem diz a verdade não merece castigo... 

 

Não sei se ria, se chore... 

 

 

Tiradas familiares #4 (B - Super-mulher)

95rlpEDFFk.png

Eu, no final do dia de ontem, tão gira, acabada de sair da cabeleireira, cabelo com um brilho esvoaçante, com umas calças brancas e uma camisola estampada com uma estrela a fazer "pendant", para sair com o M....

 

Isto, segundo os meus critérios, claro.  É que os critérios de uma filha adolescente são exigentíssimos.

 

Filha: "Ó mãe, vais sair assim à rua? Pareces a Super-mulher!"

 

E pronto, fiquem a saber que, pelos vistos, ontem à noite eu saí com o M. disfarçada de Super-mulher (ou Mulher-maravilha ou lá o que é). E não é que não me podia assentar melhor esse traje!?...

Chuva...outra vez?

 

2016-03-14 22.20.00.jpg

 

Acabei de ver previsão de chuva para amanhã em todo o país. Raios! Outra vez, S. Pedro? 

Não me apetece nais chuva e frio. Quero antes dias de sol e calor, quero ver as plantas a florir, quero poder usar roupas mais leves e deixar os casacos grossos hibernar no armário até ao próximo inverno. 

Estou mesmo a ver que ainda não é amanhã que eu estreio a blusa linda, em tons de verde que eu adoro, que comprei recentemente (na imagem). 

Damn it! 

Março, flores, vestidos e eu

12524275_366469893523736_1027138023737881556_n.jpg

 

Março, para mim, é um mês de viragem.

 

Ainda que não exteriorize o suficiente para ser notado, eu sinto dentro de mim que começo lentamente a florescer em março, em sintonia com a própria natureza. A simples e natural mudança do ciclo do inverno para o verão, com a aproximação das estações do ano minhas preferidas que já se adivinham, dando pequenas pistas de que estão finalmente a ganhar terreno ao frio e à chuva, age sobre mim de uma forma tão intensa que se torna difícil de entender e explicar. Não conheço mais ninguém a quem esta simples e milenar transformação cíclica da natureza interfira de forma tão acentuada no ânimo e disposição, como a mim própria.

Já uma vez falei aqui sobre a importância do “tempo” e da gestão do tempo na minha vida, e da fonte de stress que ele muitas vezes é (ou a falta dele...). Esta é mais uma das suas facetas.

Repito: sou bastante coerente no que exteriorizo e muitas vezes sinto em silêncio mas, interiormente, sou muito marcada por ciclos e o meu estado de espírito é manifestamente influenciado pelo ambiente e contexto. Sinto que a partir de março aproximo-me mais de mim mesma, vivo os dias de forma mais intensa, renasço qual fénix (analogia mais que batida, mas enfim…).

Razões? Apenas pequenas grandes coisas que me fazem feliz.

A aproximação do tempo mais quente e soalheiro;

Os dias mais longos que me permitem ver e sentir o sol, que atravessa mais alto o céu, a bater nas janelas da cozinha antes de sair para o trabalho, assim como chegar a casa depois de um dia de trabalho e sentir que ainda há momentos do dia (entenda-se, com luz do sol!) para serem vividos e partilhados em família;

O despontar das primeiras flores nos campos, que me possibilitam usufruir de quadros de tapetes coloridos no caminho para o trabalho todas as manhãs, com destaque para lindos campos, bermas e valados vestidos do vermelho cintilante das papoilas, ainda mais cintilantes do que as da conhecida canção do Glorioso.

12798818_366530773517648_5974083692265353721_n.jpg

 As roupas mais leves, os vestidos floridos e alegres a fazer “pendant” com a paisagem. O da foto, da KOOKAÏ, comprei recentemente nos saldos. Foi uma pechincha. Adoro, adoro, adoro!

12524275_366469893523736_1027138023737881556_n.jpg

 Estes são só alguns dos cenários que influenciam positivamente os meus dias, a partir de março. Sim, a simples visão de flores ou do sol logo pela manhã ou sair à rua com um vestido primaveril podem alegrar todo o meu dia! Chamem-me louca!

Além disso, como que a adivinhar esta minha predileção, foi em março que despontou há quase 15 anos a primeira das duas flores mais lindas da minha vida, os meus filhos.

Março! Finalmente março! A partir de agora tudo só pode melhorar!

 

Mais sobre mim

foto do autor

DIREITOS DE AUTOR (Decreto-Lei n.º 63/85 com as posteriores alterações)

Maria Mocha é o pseudónimo de uma mulher que, de vez em quando, gosta de deixar os pensamentos fluir pela escrita, uma escrita despretensiosa, mas plena dos sentimentos e emoções com que enfrenta a vida. Assim, as criações intelectuais da Maria Mocha publicadas (textos, fotos) têm direitos de autor que a mesma quer ver respeitados e protegidos. Eventuais créditos de textos ou fotos de outros autores serão mencionados. Aos leitores da Maria Mocha um apelo: leiam, reflitam sobre o que leram, comentem, mas não utilizem indevidamente conteúdos deste blog sem autorização prévia da autora. Obrigada.

Calendário

Dezembro 2017

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens